Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Planejamento - Links legais de viagens pra California

Eu literalmente viajo na viagem...
Adoro a fase do planejamento e começo a fazer isso com bastante antecedência.
Na nossa viagem pra California, Arizona e Nevada não foi diferente, mesmo porque envolvia uma logística bem mais complicada, com muitos deslocamentos, reservas em múltiplos hotéis, cálculo de dias em cada cidade, tempo de viagem de um destino ao outro, etc.
Confesso que apanhei um pouco na questão "mapas e distâncias a serem percorridas". Foi definitivamente a parte que mais me deu trabalho.
Por onde começar? Que rota fazer? Em que cidade pernoitar?
A Internet foi uma fonte de informações inesgotável e sem dúvida a experiência de outros nos auxilia e muito a fechar o nosso roteiro e fazer nossas escolhas.
Por isso decidi fazer um post com links super bacanas de viagens pela Califa!
Ei-los!!!

http://www.viajenaviagem.com/category/california/

http://www.aprendizdeviajante.com/index.php/2011/04/18/roadtrip-california-carmel-17-mile-road/

http://www.blogvambora.com.br/vivendo-e-aprendendo-planejando-uma-viagem-de-carro-pela-california/

http://viajandocomeles.com.br/viajar-de-carro-pela-costa-oeste-da-california-nao-perca-essa-viagem/

http://www.comerbeberetal.com.br/tag/viagem-de-carro-california/

http://www.nacalifa.com/materias/mate.php?id=39

http://www.visitcalifornia.com/media/uploads/international/itin_pt.pdf

http://viajandoeviajando.blogspot.com.br/2010/10/rota-66-route-66-de-las-vegas-ao-grand.html

http://www.selfdrive.com.br/roteiro/29/estados_unidos/san_francisco_a_san_diego/

http://viagemjulho2012.blogspot.com.br/

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Rota 66 - Hackberry General Store

Hoje vou falar sobre uma das paradas mais interessantes que fizemos na Rota 66: a Hackberry General Store que não é somente uma loja, mas também uma espécie de museu.
Se você estiver entre Kingman e Seligman deve tirar um tempinho e visitar esse lugar que é absolutamente fantástico! É como se estivéssemos voltando no tempo ou entrando num daqueles filmes que vemos na TV.











Do lado de fora carros e bombas de gasolina antigos e do lado de dentro um bar vintage e muitas coisas pra ver e mexer.

A entrada da loja




Pra quem é aficcionado por motos têm muita coisa legal pra comprar, principalmente jaquetas.

Lá dentro muitos souvenirs legais


E um bar vintage também...





O proprietário do local é bem simpático e a curiosidade é que ele tem dois cachorros fofos que transitam pela loja e têm um lugar cativo nesse sofá, do qual ficam olhando para o dono.

Não consegui descobrir o que era essa parede cheia de notas de 1 dólar, mas quem passa por lá deixa bilhetes ou manda cartas que depois são colocadas numa parede especial. Percebi que o local é muito usado como set de filmagens e cenário para fotos de catálogos. Estava cheio de modelos na parede, com ensaios fotográficos realizados por lá.




quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Tioga Pass - saindo do Yosemite pela CA 120

No dia em que escrevi sobre o Yosemite comentei sobre o medo que passei na CA 120, quando saímos do parque, passando pela cidade de Lee Vinning para pernoitar em Mammoth Lakes.

Eu não tinha lido nada sobre essa estrada antes de viajar. Só sabia que fechava a maior parte do ano e abria praticamente no verão e na primavera. Depois de passar por lá entendi o porquê...

Quando se cruza a saída do parque, a CA 120 começa a descer as "high sierras". A paisagem é linda, mas quem tem medo de altura, como eu, sofre um bocado. É uma estradinha de mão dupla, sem proteção de guard rail na maioria dos trechos e extremamente sinuosa.

Quem for sair do Yosemite para Mammoth não deve de jeito algum deixar pra passar por esse trecho à noite. É muito perigoso. Eu acho que não deve dar pra ver nada. Nós passamos com dia claro, por pura sorte, pois por mim teríamos ficado mais no vale do Yosemite, meu marido que insistiu em irmos embora. Ainda bem!

Eu consegui tirar algumas fotos e vou postar dois vídeos que peguei no You Tube. Quem quiser ver mais tem "um monte de doido" descendo a Tioga Pass de bike, de carro, de trailer e de moto (essa é o que mais tem) no You Tube.

No comecinho da estrada, ainda dá pra ver a neve que não derreteu




Reparem nas curvas sinuosas

...e sem qualquer proteção


Nesse vídeo dá pra ter uma idéia da emoção!

Nesse outro vídeo a pessoa está fazendo o caminho inverso ao que fizemos, subindo a Tioga Pass em direção ao parque, portanto, pelo lado de dentro da pista. Quem desce, como nós fizemos, vem pelo lado de fora (AI QUE MEDO!)


domingo, 29 de julho de 2012

Como usar o Priceline

Resolvi fazer esse post pra ajudar quem está tentado a usar o Priceline mas acaba ficando com receio.
Eu descobri o site em 2007 planejando uma viagem para New York. Desde então, todas as vezes que viajo para os Estados Unidos faço minhas reservas de hotéis nesse site e tenho ficado muito feliz com a economia.

O Priceline é um site de reserva de hotéis como inúmeros outros que existem na Internet. A diferença é que além disso é também um site de leilão de quartos de hotel, passagens aéreas e aluguel de carros. Como eu só uso para reservar hotéis, vou me abster de comentar sobre os outros serviços.

O preço pode chegar a até 50% do valor que se pagaria normalmente pela diária. Pra gente a vantagem é clara. Você pode estar se perguntando. Então qual é a vantagem para o hotel em aceitar valores tão baixos? Na realidade a lógica é que o hotel prefere ter uma ocupação completa do que ficar com quartos ociosos. Obviamente que um hotel que cobra em seu site uma diária de $ 300 dólares não pode "aparecer" vendendo quartos por $ 150. Quem comprou pelo valor superior ficaria extremamente chateado. O Priceline confere o anonimato que os hotéis precisam para garantir sua ocupação oferecendo preços extremamente baixos. É por isso que o nome do estabelecimento não aparece antes. Só aparece pra quem deu o lance ao final do processo.

Funciona da seguinte forma: Você entra numa área reservada do site, escolhe a data de estadia, a cidade de destino, o número de estrelas do hotel e dá o seu lance. Se for aceito seu cartão será debitado integralmente antes que você saiba o nome do estabelecimento em que vai ficar. Após alguns minutos aparece em sua tela o nome do hotel e a confirmação da reserva. Nesse ponto não se pode voltar atrás e desistir. Essa é a contrapartida. Não há cancelamento em nenhuma hipótese.
Não é perigoso?
Dá uma certa emoção enquanto você espera aparecer o nome do hotel, mas perigo mesmo não tem nenhum. Veja bem: você escolheu a área da cidade em que quer ficar e a quantidade de estrelas do hotel. Não tem perigo de cair num muquifo concorda?
Eu, por exemplo, só escolho da categoria de 3 estrelas pra cima. É o que vale a pena. Acho que escolher duas estrelas já fica mais arriscado de relamente cair em algo ruim. Pra ficar num duas estrelas eu vou direto no site dos hotéis. O legal é você ficar num mega hotel, que não pagaria normalmente, por um preço possível.

Acho que quando a gente opta por usar o Priceline a "regra maior" é concordar com os termos do site que são muito claros. Não dá pra ficar exigindo muita coisa. Tem que fazer com esse espírito. A prioridade é a economia.

Em síntese as regras básicas são:
- Aceito o lance não há cancelamento em nenhuma hipótese
- O site garante a hospedagem de duas pessoas por quarto, em cama King. Todos os pedidos especiais, inclusive quarto não-fumante, duas camas queen, etc serão pactuados diretamente com o hotel se houver disponibilidade.

Aí entra a parte boa. Geralmente os hotéis são bem flexíveis com essa questão de dispor apenas uma cama King para duas pessoas. Nessa minha última viagem agora em julho reservei quase todos os hotéis pelo Priceline e estava com toda a minha família (casal e dois filhos). Não tive qualquer problema para conseguir duas camas queen. Em cidades como New York e Los Angeles, que a gente sabe que os quartos são pequenos e geralmente só têm uma cama, eu nunca arrisco o Priceline para 4, mas em Orlando, por exemplo, é mamão com açucar...
Como dar o lance?

Entre no site http://www.priceline.com/
Verifique que na parte de cima da página tem um campo onde está escrito “Name your own price”. Clique em start here. Nem precisa preencher os campos ao lado.


Então preencha os campos com o nome da cidade, data de check-in e check-out e número de quartos. Caso você queira dar lances para mais de um quarto esse é o momento. Clique em bid now (dê o lance agora) e prossiga.

Na próxima tela aparecem três passos a serem cumpridos: Step 1 é a escolha da área da cidade que você deseja se hospedar. Aqui se você tiver preferência por apenas uma área tem que ser bem criterioso no lance. Cada vez que dá um lance (depois de preencher os três passos) não aceito, só pode dar novo lance se aumentar o critério de locais.

Ainda no Step 1 observe que há um mapa à direita com os números de cada área. Clique no número para ver extamente a localização na cidade


No Step 2 você fará a escolha da categoria do hotel. Quando tem um sinal verde com o cifrão ao lado quer dizer que aquela categoria é a que tem melhores ofertas. Eu, particularmente, só dou lances de 3 estrelas para cima, pois tenho receio nas categorias inferiores. O que se paga num 3 estrelas pelo Priceline é o que pagaríamos por um 2 estrelas normalmente.

Mais abaixo no Step 3 será dado o lance. Aqui acho necessário se fazer uma pesquisa prévia pra saber qual o valor realmente vantajoso. Além da gente já ter uma idéia dos preços normais das diárias nos outros sites também aconselho dar uma olhadinha no fórum do site www.betterbidding.com que ensina usar o Priceline. Lá se pode ver as ofertas que estão sendo aceitas e os seus valores. Isso serve de base.
Ex: Em Orlando a gente sabe que consegue média de $65,00 para hotéis 2 estrelas na International. Esse é o preço obtido em sites normais. Eu consegui $68 no Priceline, para um Hyatt (que é 3 estrelas), em frente a Universal.

Quando você coloca o seu valor no campo laranja (Name your own price) o site pode informar que o valor está muito baixo e que a média da região. Não se importe com isso e continue. Claro que você também não pode dar lances totalmente impossíveis. Lembre-se que depois de algumas tentativas não aceitas você ficar impossibilitado de dar lances por 3 dias.

Depois tem o campo Reservation Name que você preenche com seu nome e clica em Preview Offer no final da página.




Na próxima página aparecerá o resumo do seu lance para conferência de data da estadia, local escolhido, número de estrelas do hotel, número de quartos. Aqui é muito importante que você confira tudo, pois não há hipótese de cancelamento posterior.

Ainda nessa página observe que há um campo Purchase Trip Cancellation/Interruption Insurance (Seguro de Cancelamento ou Interrupção da Viagem). Como eu nunca cliquei nessa opção não sei dizer em quanto onera o lance, mas é um seguro para o caso de ter que cancelar a viagem.

Mais abaixo você coloca sua inicial num pequeno quadradinho aceitando as condições do site e clica em continue na caixa verde.


Em seguida será preeenchida uma tela com os seus dados. Apesar de não ser dito em nenhum lugar que estrangeiros não podem usar o site, o formato do endereço é somente para endereços americanos. Tem gente que coloca o endereço de casa mesmo e deixa EUA como país e diz que dá certo. Eu sempre coloco um endereço aleatório nos EUA que pego na Internet, com Cep e tudo mais. As vezes uso o de um primo meu que mora lá. Eles não conferem nada disso e qualquer contato é feito mesmo por e-mail.

Nesse campo você vai colocar também os dados do seu cartão de crédito.
Eu desabilito o campo (que já está marcado) dizendo que quero receber promoções especiais.
Mais abaixo tem outro campo Register now for Priceline Rewards - I't Free. Eu nunca fiz esse registro. Fica a critério de cada um, mas como uso endereço fake...sei lá vai que eles resolvem mandar uma correspondência pra lá. Além do mais o registro não é necessário para completar o processo.


Continuando nessa mesma tela (só ampliei a imagem para ficar mais nítido) vem o What happens next. Aqui se chega no ponto crucial. Quando você clica em Buy me a Hotel Room não tem mais volta. Seu lance foi dado e se for aceito o cartão é imediatamente debitado no valor integral. Se o lance não for aceito inicia-se todo o processo novamente, e como já dito sempre aumentando os critérios.

É isso. Boa sorte a quem tentar. Eu garanto que o Priceline é sério, funciona e é tudo de bom pro nosso bolso!!!!!!

terça-feira, 24 de julho de 2012

Dia 21/07 - E a Alfândega como foi????

Nosso vôo fazia escala no Panamá e depois vinha direto para Brasília.
Apesar de morarmos em Bsb, nunca havíamos feito a alfândega aqui.
Já chegamos uma vez por Manaus (que é um caos) e por São Paulo (que é um paraíso).
Tínhamos ouvido uns relatos meio estressantes da chegada por aqui. Eu confesso que não estava muito preocupada porque dessa vez não me espalhei muitos nas compras. Além do dólar alto a gente vai ficando naturalmente mais seletiva depois de ir várias vezes para os EUA. Não se traz mais tanta tranqueira...

Em Sampa todas as vezes que passamos só tinha um "gentil ser humano" fazendo aquele sinal de "pode passar e se manda". Nada de perguntas. Nada de malas em raio-x. Stress zero.

Na chegada por Brasília rola uma certa emoção!
O tiozinho fica todo enfatiotado na porta do raio-x.
De um lado NADA A DECLARAR e do outro BENS A DECLARAR.
Aí forma-se aquela fila colossal e a cada pessoa que vai passando ele manda um interrogatório básico do tipo:

- está trazendo mais de $500 dólares em compras de qualquer natureza, inclusive roupas e perfumes?
- está trazendo eletrônicos?
- está trazendo I-pad?
-está trazendo algum gênero alimentício?

Claro que a maioria das pessoas diz que não.
Bom aí ele usa de alguma "força superior" ou "intuição suprema" (como o número de malas, por exemplo) e traça o destino dos recém-chegados das terras do Tio Sam.
São três opções:

- Passa batido e feliz (essa é o sonho de todos nós)
- Passa pelo Raio-x (porque mesmo dizendo que não está trazendo nada o "tiozinho" desconfia)
- De acordo com o que você responde ele te manda pro BENS A DECLARAR.

Quem vai pra terceira hipótese com certeza é quem responde afirmativamente a algumas das perguntas. Eu presenciei uma garota de uns 16 anos, "tadinha", chegando de um intercâmbio que quando ele perguntou sobre roupas disse que estava trazendo um pouquinho mais de $500 dólares. Aí o oficial da alfândega não tem outra opção. Se a própria pessoa reconhece que está passando da cota ele manda pro BENS A DECLARAR. A mocinha estava com uma cara aterrozida lá dentro.

Como eu sei disso? Porque eu também fui mandada para o BENS A DECLARAR, apesar de estar com poucas malas e ter respondido negativamente as três primeiras perguntas.
Quando o oficial perguntou: "Está trazendo algum gênero alimentício?". Eu a "super sincera" respondi:
"-Sim umas cerejinhas que a gente veio comendo no avião".
Meu marido me trucidou com o olhar! Pense num homi brabo!
- "Pode passar por aqui então".
E lá fomos nós pro BENS A DECLARAR.
Lá dentro tem outros oficiais que abrem as malas com vontade e vasculham tudo.
QUE MEDA!!!!!! QUE PAÚRA!!!!!

Então veio um rapaz muito educado e falou:
"- Vcs vão pra os EUA e são parados na alfândega por causa de cerejas? Isso não é muito comum"
Pediu as cerejas, jogou um produto "verde Hulk" nelas e explicou que por questões sanitárias os gêneros alimentícios não podem entrar no país, pois podem conter algum tipo de micro-organismo desconhecido e blá blá blá.
Tudo é incinerado segundo ele (que na realidade é da Vigilância Sanitária e não da Alfândega)
Que dó das minhas cerejinhas. Tão gostosas...
E foi isso.
Não abriram mala, não perguntaram mais nada.
Assinei um documento e fomos despachados.
Ufa!

Passamos mesmo só um susto, mas não passamos pelo raio-x.
E eu já estava até pensando "benditas cerejas!"




segunda-feira, 23 de julho de 2012

Dia 20/07 - Venice Beach e dia da partida

Último dia da viagem.
Graças a Deus conseguimos fazer tudo o que planejamos sem qualquer contratempo.
Viajar de carro aqui é uma maravilha. As estradas são todas muito bem conservadas e a gente não sente muito o tempo passar.
Programamos para o nosso último dia um encontro muito especial com minha irmã americana, que vi pela ultima vez aos 17 anos... Ela morava em Chicago com a família (em que fiquei), mas casou-se e hoje mora na Califórnia. Trabalha como produtora de cinema em Hollywood! Legal né?
Ela levou a filhinha de dois anos que é a personificação da fofura!!! Audrey.
Escolhemos Venice Beach que ainda não tínhamos conhecido. Ficava perto da casa dela e do meu hotel em Marina del Rey. Fizemos um brunch!



O encontro de "irmãs de intercâmbio" 28 anos depois...


Só um flasback. Olhem aí o "antes e o depois"...



Caminhamos pela orla e eu não acreditava no que via. Se tem um povo estranho nesse mundo ele se concentra em Venice Beach. É super divertido de ver.



A filhinha da Flo, de dois anos, a quem ela chama de Tiny Human, simplesmente caiu de amores pelo Enzo. Sabida essa menina...

Mas uma horinha ela veio comigo


Nunca vi tanta gente esquisita por metro quadrado. Chega a ser até engraçado. Nós nos divertimos com os tipos. Percebam a propaganda atrás da gente! Green Doctors.

Roupas hippies e de reggae por toda parte


Depois demos a derradeira passadinha pelo Walgreens porque sempre tem umas coisinhas que a gente esquece de comprar naquele lugar. Ô perdição!

Nosso almoço de despedida pra fechar com chave de ouro a viagem foi no Cheesecake Factory. Amo esse restaurante. Comida excelente e ambiente idem. Não tem erro em qualquer cidade. É um dos meus restaurantes favoritos nos EUA.


 Apesar do nosso vôo só sair de madrugada resolvemos ir logo para o aeroporto pois o trânsito em LA é sempre muito imprevisível. Chegamos por volta de 18:00h e ficamos esperando a hora do check-in.

Sergio nos deixou na área de embarque e foi sozinho devolver o carro porque pegar aquele ônibus cheio de malas da Alamo até o aeroporto ninguém merece. Achamos assim bem melhor.

Eles abriaram o check-in às 10:00. O vôo pela Copa saiu pontualmente às 2:00 da manhã. A volta é bem cansativa pois a conexão no Panamá é de 5 horas. A sorte é que o aeroporto é bom e tem muita coisa pra ver.